terça-feira, 8 de outubro de 2013

Consumismo no dia das crianças

Semana do dia das crianças e vejo uma enxurrada de comerciais apelando pela atenção dos nossos filhos, pais desesperados pra comprar o presente da moda, crianças gritando em coro "Quero! Quero! Quero!".
A verdade é que a criança geralmente não sabe o que quer quando se trata de brinquedos pois ela é facilmente influenciada pelos comerciais, pelos coleguinhas, por isso é tão comum ver os pais reclamando que o filho pediu tanto, ganhou e deixou jogado 2 dias depois. Então devemos pensar melhor quais valores estamos passando para nossas crianças quando damos tudo que ela pede, quando a enchemos de presentes que elas não necessitam ou que elas já tem igual, quando mostramos que você só é legal quando tem o celular do mês.
Diante disso, tenho me questionado qual será o meu posicionamento quando chegar o dia que a Isabel se juntará ao coro, ela ainda não pede presentes pois só tem 1 ano e 7 meses, eu só lhe dou o necessário (ok sou meio compulsiva por livro infantis, mas acho que isso não conta  né?!)e confesso que sou muito consciente quando se trata de gastar,  mas o momento que ela começar a pedir será um desafio como é para todas as famílias.
Ao mesmo tempo que tenho boas lembranças de esperar pelo meu presente de dia das crianças e querer proporcionar isso pra minha filha, também tenho receio de incentivar a supervalorização do objeto, do "gastar dinheiro pra ser feliz".
Pretendo agir desta maneira: deixar que ela escolha um brinquedo (desde que esteja dentro do nosso orçamento) no dia do seu aniversário, nas outras datas comemorativas darei uma lembrança atrelada a um livro. A lembrança deve ser carinhosamente pensada, um brinquedo durável, que auxilie na inteligência, na criatividade, que esteja de acordo com sua idade e não uma bugiganga barulhenta, eletrônica e piscante de plástico. Mas também não precisa ser um brinquedo, pode ser um passeio, quero que ela veja esses momentos como dignos de comemoração,um momento em família como um grande presente. E pode ser uma lembrança feita por mim e pela família dela, dou valor nesse tipo de presente e quero que ela perceba o carinho que uma pessoa empregou quando fez algo só pra presenteá-la.
Eu sei que não é fácil dizer não aos nossos filhos, muitas vezes exageramos nos agrados materiais pois não tivemos oportunidade de usufruir disso quando éramos criança ou para conseguir substituir a nossa falta de presença. Este é um ótimo momento de rever esses valores busque uma maneira menos consumista de comemorar o dia das crianças, ainda dá tempo!

Isabel com seus brinquedos favoritos aos 9 meses



2 comentários:

  1. Oi, Andressa! Você está certíssima!! Ainda mais que nessa idade a criançada não se importa muito com o "preço' do brinquedo, umas panelas (como da foto) ou uma caixa de papelão podem dar horas de alegria pros pequenos!
    Beijo,
    Rita

    ResponderExcluir
  2. Concordo com vc!!!
    A Loly começou com a fase do "eu quero" nesse dia das crianças... mas percebi que não é um pedido "real" é só pq vê a propaganda e pede pq queria brincar com aquilo naquele momento... essas propagandas judiam dos pequenos, eles vêem tantas coisas e acham que podem ter tudo em casa!!!
    Mas sempre ensinei a ela que não se pode comprar tudo o que vê na TV, que ela já tem vários brinquedos em casa, etc.
    Adorei conhecer seu blog tb, e sua filha tá linda brincando com os potes e panelas, td criança faz a farra com isso né?!
    Beijos,
    Dani www.maedaloly.blogspot.com.br

    ResponderExcluir